Praticar atividade física é uma das formas de prevenir o problema. Se não tratadas, as varizes podem levar a complicações mais graves, como a trombos

Varizes são veias dilatadas e deformadas que surgem quando, por algum motivo, o sangue que chega às pernas não consegue retornar ao coração. Elas incomodam por dois motivos. O estético, já que podem ter coloração avermelhada (que são os vasinhos, característicos da fase inicial do problema) ou até azulada (em casos mais avançados), além de serem saltadas em alguns casos. A segunda razão são os seus sintomas, que incluem inchaço e sensação de desconforto e cansaço nas pernas.

Mulheres são as principais afetadas pelo problema, e o mais comum é que ele apareça após os 30 anos. Parte da explicação está no fato de os hormônios femininos, estrogênio e progesterona, dilatarem e enfraquecerem os vasos sanguíneos. Com isso, as veias têm maior dificuldade em bombear o sangue para o coração, favorecendo o surgimento de varizes. A gravidez também aumenta as chances do problema, já que o peso do feto prejudica o fluxo sanguíneo.

Risco – A genética é um fator importante para o surgimento de varizes. Por isso, recomenda-se que pessoas com histórico do problema na família façam prevenção do problema o quanto antes. O uso de meias de compressão e a prática de exercícios físicos, por exemplo, ajudam a reduzir o risco de varizes, segundo com Julio Cesar Peclat de Oliveira, presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro (SBACV-RJ).

A prevenção de varizes também pode ser feita evitando fatores que aumentam o risco do problema – entre eles, excesso de peso, tabagismo, uso frequente de sapatos desconfortáveis (muito planos, com salto alto e fino ou apertados, por exemplo) e sedentarismo.

“Ficar muito tempo parado, seja sentado ou em pé, dificulta o bombeamento do sangue de volta ao coração. O ideal é que, a cada hora em determinada posição, o indivíduo faça uma pequena caminhada ou exercite a sua panturrilha para ajudar na circulação do sangue”, diz Oliveira. Segundo o médico, quando a panturrilha se contrai, ela “espreme” as veias e estimula o sangue a subir em direção ao coração.

Tratamento – Se não tratadas corretamente, as varizes tendem a aumentar e alastrar-se pelas pernas. Além disso, quanto maior a progressão do problema, mais elevado o risco de trombose, formação de coágulos nos vasos e de insuficiência venosa profunda, que ocorre quando esses coágulos acometem veias responsáveis por levar o sangue ao coração.

Tratar varizes significa que elas devem ser retiradas – como são vasos que perderam sua elasticidade, não há formas de reverter o problema. “Uma veia que aparece hoje, se não tratada, nunca mais vai sumir”, diz o angiologista Eduardo Fávero, membro do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e da equipe de cirurgia vascular do Hospital da Lagoa, no Rio de Janeiro. Os métodos não cirúrgicos incluem aplicações de laser ou de medicamentos no interior dos vasos problemáticos, e são recomendados para fases inicias do problema. Já para as varizes esverdeadas e saltadas, indica-se a cirurgia para remoção da veia doente..